Desabamento da ponte Francis Scott Key em Baltimore: buscas por sobreviventes após colisão de navio

Autoridades descartam ligação com terrorismo enquanto investigações buscam causas do trágico incidente

Colisão de um navio com a Ponte Francis Scott Key em Baltimore, EUA, causou seu desabamento nesta terça-feira (26), resultando em ao menos 20 pessoas desaparecidas. As equipes de resgate estão em busca dos sobreviventes após o navio colidir com a ponte durante a madrugada de terça-feira. Autoridades descartaram inicialmente qualquer ligação com terrorismo e confirmaram que as investigações estão em andamento para determinar as causas exatas do acidente.

A ponte, uma estrutura vital de 2,5 quilômetros e quatro pistas, estende-se sobre o rio Patapsco, servindo como uma travessia importante do porto de Baltimore e uma conexão essencial da I-695, ou Baltimore Beltway. A tragédia ocorreu enquanto trabalhadores da construção contratados pela agência estadual de transportes realizavam reparos na ponte.

O secretário de Transportes de Maryland, Paul Wiedefeld, confirmou que oito pessoas estavam na ponte no momento do colapso, sendo que duas foram encontradas, uma hospitalizada e outra ilesa, enquanto as buscas pelos outros seis continuam.

O navio envolvido no incidente foi identificado como o DALI, um navio porta-contêineres de bandeira de Singapura, com cerca de 984 pés de comprimento. Testemunhas relataram que as luzes do navio piscaram e uma nuvem escura de fumaça surgiu dele antes do impacto com um pilar da ponte. Apesar do acidente grave, nenhum membro da tripulação do navio ficou ferido, conforme relatado pela empresa de gerenciamento de navios Synergy Group.

Diversas agências estão conduzindo investigações sobre o acidente, mas até o momento não há indicações de que tenha sido intencional, conforme declarou o comissário de polícia de Baltimore, Richard Worley. O prefeito de Baltimore, Brandon Scott, descreveu a situação como uma tragédia indescritível, enfatizando o foco das operações de resgate nas pessoas presas na água e nos veículos submersos.

As informações são da CNN.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

notícias relacionadas

categorias

REDES SOCIAS

fale conosco