Projeto inovador cria livraria com livros “cancelados” pela esquerda

O Farol Diário conversou com o Viking de Óculos, responsável pela criação do projeto

O que você faria tendo a oportunidade de acessar centenas de livros, alguns deles considerados proibidos em alguns países? Graças à internet, iniciativas como essa estão acontecendo em todas as partes do mundo.

No Brasil, uma iniciativa semelhante foi criada pelo youtuber conhecido como “Viking de Óculos”, que promete enriquecer o debate brasileiro com sua iniciativa.

O Farol incentiva a plena liberdade de expressão e o debate, e por isso conversou com o Viking de Óculos sobre seu novo projeto. Confira a entrevista!

Por que o nome “Viking de Óculos”?

O nome “Viking de Óculos” surgiu em meados de 2017, quando resolvi criar meu primeiro canal, cujo tema era exclusivamente sobre “transtornos de personalidade do CLUSTER B”. Na ausência de ideias para nomear o canal, escolhi a alcunha de “viking” devido à aparência e “de óculos” por usar óculos com certa frequência ao gravar os vídeos – hábito que abandonei. Este canal foi excluído pelo YouTube, e recomeçamos em 2018, abordando, além dos temas anteriores, assuntos relacionados à política e direitos dos homens.

Na sua opinião, por que alguns livros da sua livraria são considerados “cancelados” por alguns?

Os livros que disponibilizamos são considerados, atualmente, como indigestos, absurdos, antiquados e recebem uma miríade de adjetivos que você pode imaginar, embora tenham sido, no passado, livros comuns de história, encontrados nas mais variadas livrarias e bibliotecas. Esses livros, que amiúde me refiro como “livros banidos”, caíram no esquecimento ou foram retirados de circulação à medida que a censura se apossava da sociedade. Este processo de censura e cerceamento da liberdade de expressão, assaz evidente para qualquer que tenha olhos e possa ver atualmente, começou no final da década de 40, de maneira muito insidiosa.

Apesar de ser alvo do sistema, nosso acervo é bastante rico e diverso, sem uma linha ideológica rígida, incluindo temas como sociedades secretas, a exemplo da sociedade de crânio e ossos; livros de caráter libertário; livros integralistas; obras revisionistas, com foco especial na Revolução Russa e grandes guerras; além de um acervo considerável sobre os magnatas do tráfico negreiro, com inclusão de obras de professores afro-americanos que foram expulsos de universidades devido ao politicamente correto. Mais do que uma linha ideológica específica, nossa livraria tem o desígnio de infundir curiosidade, trazer ao leitor um prisma diferente sobre narrativas monopolistas e supostamente oficiais e inquestionáveis; trazer também entretenimento, com um acervo de séries e documentários, totalizando cento e cinquenta vídeos e, sobretudo, esticar a janela de Overton, superando a dicotomia “esquerda vs direita”.

Por que você achou importante criar essa livraria?

Ao notar que a censura se avizinhava e tendo sido vítima dela, como supra-citado, senti a necessidade de compilar todo o conteúdo que julgava subversivo (no bom sentido do adjetivo), informativo, esclarecedor e passível de censura. Então, há aproximadamente quatro anos, comecei a reunir arquivos diversos num HD externo, em formato PDF e MP4, antevendo a censura mais radical que hoje nos açoita e logrando salvar muitos arquivos antes que fossem deletados das plataformas convencionais. No afã de exemplificar, conseguimos salvar importantes palestras de Stephen Molineux, com abundância de dados estatísticos, e vídeos de produtores de conteúdos escorraçados do YouTube durante a “hit-list” da ADL. Com uma coleção razoável e conteúdo relativamente raro, decidi disponibilizar o material para qualquer indivíduo interessado.

A livraria digital é organizada por hashtags, facilitando a navegação por conteúdos antigos; afinal, são mais de 450 itens, além das frequentes atualizações.

Nossos membros descrevem a experiência após ingressar no nosso canal como “crise de epifanias”, “mudança radical de cosmovisão” e “o conteúdo mudou minha vida”. E compartilho essa informação sem o intento de ser sensacionalista.

Como fazer para ter acesso a esse material tão escasso no Brasil hoje? Como fazer parte da livraria?

Para ingressar na livraria, cobramos um valor simbólico, oferecendo acesso vitalício ao leitor, além da possibilidade de fazer o download dos arquivos armazenados em nuvem. A aquisição é feita pelo nosso Instagram @vikingdeoculos ou via WhatsApp (21)96997-2610.

4 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

notícias relacionadas

categorias

REDES SOCIAS

fale conosco