Taxa de homicídios em El Salvador cai 70% depois de prender 1% da população

Após a ascensão do presidente linha dura Nayib Bukele, eleito com a promessa de acabar com a violência de gangues, El Salvador viu uma acentuada queda nas taxas de homicídios

De acordo com estatísticas divulgadas pelo governo da nação centro-americana, o número de homicídios no país diminuiu de 495 em 2022 para 154 em 2023, uma redução de 70%. Isso deixa El Salvador com uma taxa de 2,4 homicídios por 100.000 pessoas, a segunda mais baixa nas Américas (a primeira sendo o Canadá). Mais de 2.000 homicídios ocorreram em 2019 e mais de 1.000 em ambos 2020 e 2021.

Sob o regime de Bukele, que decretou um estado de emergência prolongado para reprimir a atividade das gangues, especialmente visando membros violentos da MS-13, as forças de segurança da nação prenderam 75.000 suspeitos de pertencer a gangues, aproximadamente 1% dos 6.600.000 habitantes de El Salvador.

O decreto de emergência de Bukele, em vigor desde o início de 2022, permite que a polícia do país persiga, prenda e detenha suspeitos de pertencer a gangues sem julgamento. Os direitos usuais dos suspeitos a um advogado e à aprovação do tribunal para detenção foram suspensos.

Os salvadorenhos acolheram de braços abertos a regra rigorosa. Após anos de violência relacionada a drogas, os cidadãos elegeram Bukele com 53% dos votos. Bukele não enfrenta desafios significativos na próxima eleição presidencial em fevereiro, pois as pesquisas refletem que ele tem uma vantagem de 70% sobre seus rivais, todos provenientes da velha guarda política da nação.

No entanto, organizações não governamentais (ONGs) como grupos de direitos humanos não estão satisfeitas com o novo regime. Alegam que houve mais de 5.000 abusos relacionados à repressão. A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), uma subsidiária da Organização dos Estados Americanos (OEA), pediu a Bukele e aos membros do Congresso salvadorenho que restaurem os direitos e revoguem a declaração de emergência. O Observatório de Direitos Humanos da Universidade da América Central (UCA) afirma que os dados do governo “não são verdadeiros” e que as mortes violentas são “altamente subnotificadas”. O governo não inclui em seus dados membros de gangues mortos por forças de segurança ou aqueles que morrem na prisão.

Fonte: Shane Devine – VT.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

notícias relacionadas

categorias

REDES SOCIAS

fale conosco